• +(011)992413934
  • contato@missaoempreendedora.net.br

Conteúdo

Criação da Riqueza (Por Paulo Vieira)

Por que você não ganha tanto dinheiro como gostaria?

Com matriz em Fortaleza, núcleos em mais de 20 cidades do Brasil e parcerias nos EUA, a Febracis já impactou mais de 300 mil pessoas ao longo de sua trajetória. A história da federação começa em 1998 ainda como Instituto Paulo Vieira e só depois passa a ser chamada Febracis, reforçando a continuidade do compromisso em atender seus clientes com respeito e responsabilidade. A atuação da Febracis é destaque no mercado por transformar vidas por meio do Coaching Integral Sistêmico (CIS), um processo que se adequa à sua realidade de modo que ele gere as melhores possibilidades e estratégias para conquistar um estilo de vida abundante.

Ao longo dos últimos 18 anos, o presidente da Febracis, Master Coach e PhD em coaching pela Florida Cristhian University (FCU), Paulo Vieira, vem  aperfeiçoando a metodologia do Coaching Integral Sistêmico, criada e desenvolvida por ele. Professor da FCU, Paulo Vieira é um dos mais conceituados coaches do Brasil com mais de 10.500 horas em sessões individuais de coaching. O CIS® se diferencia do coaching tradicional por trabalhar de forma integral a razão e a emoção, de modo que é possível obter alta performance pessoal e profissional sem comprometer nenhuma área da vida. Saúde, família, conjugal, financeiro, social, entre outras áreas, são trabalhadas no processo.

Assista a Palestra, clique na foto abaixo:

 

Leia Também…

 

MANUELDOLIVEIRAFILHO

Aprenda a lidar com o dinheiro, a investir e a multiplicar seus ganhos

Mas não basta ler. É preciso colocar em prática. Então, comece agora:

1. Guarde 10% de tudo que ganhar para investir

Existe um ponto de vista defendido por muitos bilionários e pessoas bem sucedidas financeiramente, que é o seguinte: “pague a si próprio primeiro”.

Antes que alguém use a frase como desculpa para dar calote nos outros, é bom explicar melhor.

A ideia é que você separe pelo menos 10% do que ganha imediatamente, antes mesmo de olhar para as contas ou itens de lazer. Entrou R$ 100,00? Separe R$ 10,00 agora mesmo para investir! Simples assim.

Essa atitude, além de garantir a construção de patrimônio, cria um hábito financeiro muito saudável. E não pense que você vai morrer de fome por separar 10% do dinheiro que ganha.

Muito pelo contrário: às vezes, começar o mês um pouco mais apertado obriga você a ser criativo, seja na hora de poupar ou na hora de criar oportunidades que gerem novas receitas.

Antes de passarmos ao próximo item, uma ressalva: esse dinheiro deve ser investido, e não simplesmente “separado”. É importante que você faça esse valor render.

Para isso vale a pena estudar as diferentes possibilidades do mercado, desde renda fixa até bolsa de valores, e escolher o investimento que se adequar melhor ao seu perfil.

Obs.: Falamos mais sobre investimentos no item 5.

2. Reinvista todo rendimento de seus investimentos

Sabe aqueles 10% que acabamos de falar no item anterior? Se você achou que no futuro eles serviriam para torrar em viagens, carros ou qualquer item que seja seu sonho de consumo, está enganado. Todo o rendimento deve ser reinvestido.

Aí você pode pensar: mas de que adianta ter dinheiro se eu não vou usá-lo?

A ideia é que você construa patrimônio, e não apenas poupe uma quantia todo mês. O seu patrimônio é a sua real riqueza, o resto é ilusão. De nada adianta ter um salário ou lucro gigantesco na sua empresa se no final do ano você não tiver guardado nada.

Pessoas de mentalidade rica estão sempre buscando alternativas para enriquecer seu patrimônio, de forma que possam viver de rendimentos no futuro. Se você tiver disciplina para investir e reinvestir o seu dinheiro, daqui a alguns anos não precisará se preocupar com questões como a previdência social, que não necessariamente é uma alternativa segura para a aposentadoria.

3. Nunca gaste mais do que ganha

Essa é uma dica óbvia, certo? Bom, nem tanto. A maioria das pessoas sabe que não deve gastar mais do que ganha, mas ainda assim continua cometendo o mesmo erro repetidas vezes.

As desculpas e justificativas para repetir o equívoco são as mais variadas, mas a verdade é uma só: mais cedo ou mais tarde, é preciso encarar a realidade.

Endividar-se no cartão de crédito mês após mês só faz com que você empurre o problema com a barriga. Pode até ser que você ainda não esteja numa situação desesperadora em termos de finanças, mas esse comportamento simplesmente tira sua liberdade de escolha, já que você vive “correndo atrás do rabo” ou, nesse caso, do próximo fim de mês.

Pense com carinho: e se você quiser investir em uma nova ideia de negócio? E se surgir um imprevisto com a casa ou o carro? E, pior, se você tiver gastos médicos inesperados? Ninguém gosta de desejar situações ruins, mas é bom ter um plano B caso algo aconteça.

No fim das contas, as únicas despesas realmente necessárias são moradia, alimentação e transporte. E tudo que foge disso pode ser planejado com cuidado para caber no orçamento, sem precisar se endividar.

Leia também: 7 passos para sair das dívidas e se tornar um empreendedor

4. Fuja dos financiamentos com parcelas pequenas e juros altos

Quando desejamos um bem de consumo, muitas vezes somos atraídos por financiamentos com parcelas bem baixas. Porém, é bom abrir o olho. Na grande maioria das vezes, parcelas pequenas representam juros altos.

Basta nos colocarmos no lugar da empresa que está vendendo o produto ou serviço: eles precisam lucrar e o financiamento nada mais é do que um empréstimo. Ou seja, precisa ser vantajoso também para quem empresta, senão a negociação não faz sentido. Portanto, fique atento! De maneira geral, quanto menos tempo você levar para quitar um financiamento, menos juros pagará. Sem falar que isso permitirá administrar melhor seu dinheiro.

Mesmo que o financiamento seja curto, pense bem antes de parcelar uma compra ou pegar um empréstimo: estas devem ser sempre a última alternativa. O bom e velho pagamento à vista continua sendo a melhor opção, ainda mais para quem costuma ter dificuldades em organizar as contas.

5. Pesquise sobre títulos públicos, fundos de investimentos ou ações

Se você seguir à risca a recomendação da primeira dica e guardar 10% de todo o dinheiro que ganhar, em breve terá uma boa quantia para investir. Nesse caso, é bom começar a pesquisar desde já por formas de aplicar o dinheiro.

Para facilitar, separamos algumas informações iniciais que podem te ajudar:

Títulos públicos

Os títulos públicos do Tesouro Nacional fazem parte do mercado de renda fixa. São uma das formas que o governo federal utiliza para captar recursos que servirão para financiar suas atividades, entre elas educação, saúde e infraestrutura.

Além de apresentarem um rendimento superior à poupança, outra grande vantagem é que é possível investir em títulos que pagam sempre acima da inflação. Dessa forma seu dinheiro nunca será desvalorizado.

Fundos de investimentos

Um fundo de investimento é uma modalidade de aplicação financeira. Cada fundo é formado pela união de diversos investidores (cotistas) que se juntam com o objetivo de investir em uma série de ativos, podendo englobar títulos de renda fixa, commodities, títulos cambiais, ações, entre outros. De modo geral, quanto mais diversificado for o fundo, menor é o risco que você estará correndo.

Ações

As ações, também chamadas de papéis, são cotas (pequenas frações) de uma empresa negociadas em bolsa de valores. O dinheiro investido em ações representa o patrimônio na empresa e é usado para compra de equipamentos e matérias-primas, pagamento de funcionários, investimentos, etc.

Ou seja, ao comprar uma ação você se torna sócio da empresa que emitiu a ação. Isso significa que você correrá os riscos dos negócios, tendo participação tanto nos lucros como nos prejuízos da organização. O preço dos papéis é definido pela oferta e demanda: quanto mais gente existir querendo comprar ações de uma corporação, mais o preço sobe. Assim, é possível vender e lucrar com os papéis.

Para saber mais sobre como investir na bolsa de valores:

6. Não compre casa na praia, nem carro de luxo

Infelizmente, esse itens só trazem despesas e tiram dinheiro do seu bolso bem mais rápido do que você espera. O sonho da casa da praia, por exemplo, muitas vezes se transforma em pesadelo: são muitas manutenções necessárias e pouco retorno.

A maioria das pessoas acaba aproveitando só no verão, porém não consegue alugar a residência na baixa temporada. O resultado é uma série de gastos, incluindo o IPTU, as contas mensais e medidas para manter o imóvel em boas condições.

O mesmo ocorre quando você troca seu carro atual por um veículo de valor mais alto. O preço do seguro vai lá no alto, a manutenção e as peças são mais caras e muitas vezes o consumo de combustível também.

Isso sem falar nos custos extras que você pode ter para garantir a segurança — sua e do veículo —, incluindo deixar o carro sempre em um estacionamento fechado.

7. Evite emprestar dinheiro para parentes e amigos

É claro que tudo depende da situação e do amigo. O problema é que, em geral, amigos e parentes têm mais liberdade e intimidade com a gente, o que nem sempre é bom quando o assunto é dinheiro.

A pessoa acaba não se sentindo constrangida por ficar devendo ou por atrasar o pagamento. O tempo passa e muitas vezes o empréstimo cai no esquecimento. Então não custa tomar um pouco de cuidado para não passar por esse tipo de problema, certo?

8. Cuidado com o cartão de crédito

Sem dúvida nenhuma, o cartão de crédito é um dos maiores vilões da vida financeira das pessoas. Portanto, se você quiser administrar seu dinheiro com eficiência, é preciso tomar cuidado com ele.

O que muitos não percebem é que quando se faz uma compra com cartão de crédito, está na verdade gerando uma dívida para ser paga depois. No caso das compras parceladas, é uma dívida que vai durar muito!

Isso é perigoso por dois motivos, o primeiro deles é porque no final das contas você estará somente postergando um pagamento que deveria ser feito no momento da compra, perdendo o controle e foco do seu orçamento, pois isso estimula outros gastos a curto prazo.

O segundo motivo é que a chance de comprometer a sua renda nos próximos meses é alta e isso pode prejudicar os seus gastos futuros que são essenciais, colocando a sua situação em um cenário que precisará retirar dinheiro das suas reservas ou contrair uma dívida com juros no próprio cartão.

Lembre-se que os juros do cartão de crédito são um dos mais altos atualmente, então a prioridade deverá ser fugir deles.

9. Fuja das compras supérfluas

Muitas pessoas têm a mania de comprar aquilo que não estejam precisando e o resultado são as compras que são desnecessárias e que comprometem o orçamento do mês.

Portanto, antes de comprar qualquer coisa, faça uma reflexão se você precisa mesmo daquilo, se é algo essencial e se não há uma alternativa para suprir essa compra com algo que você já tenha.

Sabemos que muitas vezes não é fácil resistir a essa tentação de comprar coisas novas, mas nesse momento é preciso pensar nos seus objetivos financeiros que é algo muito maior. Sendo assim, será muito mais possível conseguir realizar seus sonhos.

10. Tenha objetivos financeiros

Uma das maneiras mais naturais de manter o controle e administrar seu dinheiro de forma correta é colocar um objetivo maior como algo que deve ser alcançado. Dessa maneira você condicionará sua mente de que todo o esforço valerá a pena.

Então, nada mais sábio do que transformar seus sonhos nesses objetivos. Por exemplo, que tal colocar como objetivo trocar de carro, comprar um apartamento ou então fazer aquela viagem dos sonhos?

Sendo assim, as chances do seu planejamento dar certo é muito maior, além de que quando você abrir mão de algum gasto desnecessário, será algo muito mais prazeroso, pois você saberá que é por um bom motivo.

11. Transforme um gasto variável em fixo

Outro grande vilão da nossa vida financeira são os gastos variáveis, ou seja, aqueles que não foram estabelecidos um limite. Por exemplo, a cervejinha com os amigos, o almoço de sexta com os colegas de escritório em um restaurante mais caro e por aí vai.

O grande problema desse tipo de despesa é que nunca se sabe o seu valor exato no fim do mês e há casos em que elas ultrapassam qualquer limite que se possa imaginar, porque não há controle e nem ideia do quanto é um valor ideal para não comprometer o seu orçamento.

Por isso, transforme esses gastos em algo fixo e faça o controle dessa despesa. Por exemplo, se você definir que vai gastar no máximo R$200 por mês com as idas a bares e restaurantes, você precisará monitorar o andamento dessa despesa e abrir mão de convites quando esse tipo de gasto atingir o valor que foi estabelecido.

12. Evite andar com muito dinheiro no bolso

Saiba que andar com o dinheiro em espécie é uma grande tentação, pois isso facilita o impulso de gastar que qualquer ser humano possui, incluindo comprar coisas que não são necessárias.

Portanto, o ideal é andar apenas com o dinheiro suficiente para suas despesas básicas do dia a dia na carteira, tal como para as refeições, transporte e eventuais emergências.

Essa é uma boa estratégia para evitar gastos desnecessários e administrar seu dinheiro com sabedoria.

13. Cuidado com a “contabilidade mental”
Uma das maiores armadilhas financeiras é a chamada “contabilidade mental”. Na verdade, é uma falha lógica onde a pessoa mantém, simultaneamente, dinheiro investido (a taxas baixas) e dívidas (a taxas altas), e se sente confortável por ter “dinheiro guardado”, quando deveria usar esse investimento para saldar as dívidas. Esse hábito dá uma falsa sensação de conforto e segurança, mas nos faz perder ainda mais dinheiro

14. Investimentos: expectativas realistas
A realidade do mercado financeiro brasileiro está mudando, ficando mais próxima daquilo que se pratica nas economias desenvolvidas. A má notícia é que ganhar dinheiro no mercado financeiro das economias desenvolvidas não é nada fácil, e o investidor brasileiro deve se preparar para um cenário onde os retornos vão diminuir e a volatilidade aumentar. E lembrar que a prioridade máxima do investidor não é rentabilizar seu dinheiro, e, sim, protegê-lo. No longo prazo, muitos investidores sequer conseguem proteger seu patrimônio dos efeitos da inflação

15 Riscos são reais
Como dizem muito fora do Brasil, “não há almoço grátis”. Investimentos com alto potencial de retorno também têm alto potencial de risco. Não existe algo que tenha altos retornos e seja totalmente seguro. Quem não quer viver “fortes emoções” com o dinheiro deve se abster de investimentos mais ousados e ficar com o básico

16. Cuidado com os mitos
Nosso povo não prima muito pela educação financeira e pelas boas práticas na gestão do dinheiro. “Seguir a sabedoria popular” na hora de tomar decisões financeiras raramente é algo sensato. As pessoas têm uma visão bastante limitada de como funcionam os investimentos e os instrumentos de crédito, e alimentam certos “mitos”, como uma crença na infalibilidade de caderneta de poupança ou a de que a Bolsa de Valores é uma espécie de “cassino”. Não seja “maria vai com as outras”: estude, informe-se e tome suas próprias decisões

17. Pense em ganhar
Quando se fala em finanças pessoais, normalmente se fala em práticas para gerenciar o dinheiro ou investimentos convencionais, com retornos limitados (é a realidade do mercado financeiro para a maioria das pessoas). Mas é importante lembrar que tão importante quanto cuidar bem do dinheiro é pensar em como ganhá-lo. É preciso estar constantemente “de olho” em oportunidades de negócios e de desenvolvimento profissional. Ganhar dinheiro investindo no mercado financeiro tende a ficar cada vez mais difícil, e quem quer subir o padrão de vida ou dar um “grande salto” precisa investir em desenvolvimento profissional e de negócios

18. “Só trabalho gera riqueza”: o seu e o do seu dinheiro
A frase entre aspas é atribuída a Amador Aguiar, fundador do Bradesco, que tinha fama de trabalhador incansável. Muitos esperam de “gurus financeiros” uma fórmula mágica de riqueza com pouco ou nenhum sacrifício do dia para a noite. Isto não existe. Para prosperar, é preciso poupar uma parte do que se ganha e colocar este dinheiro para trabalhar a seu favor. Economias bem aplicadas produzem juros que se acumulam com o tempo, gerando riqueza

19. Viva um degrau abaixo, não tente bancar-se um acima
Muitas famílias, na tentativa de conquistarem o mais alto padrão de consumo possível, estão abusando do crédito e “cavando um buraco” para seu futuro. Tenha como meta viver um degrau abaixo do que lhe parece “normal” em seu meio socioeconômico. Não quer dizer que você precise viver mal. Mas se ajustar seu padrão “para baixo”, vai acumular reservas que permitirão dar sustentabilidade (longo prazo) à boa vida a que está acostumado

20. Multiplique seu dinheiro com gastos mais econômicos
Controlar gastos é chato, mas será (e cada vez mais) absolutamente indispensável para quem deseja prosperidade duradoura. Não deixe de gastar! Mas passe a gastar com o que interessa mais e livre-se do que interessa menos. Assim, poderá direcionar o que foi economizado para outros gastos (imediatos ou futuros) que verdadeiramente lhe agreguem qualidade de vida

21. Pequenos gastos podem não ser tão desprezíveis assim
As aparências enganam: pequenos gastos podem não ser tão pequenos assim, e os grandes gastos podem até não ser tão nocivos se forem planejados. Um pãozinho desperdiçado por dia resulta em R$ 90 desperdiçados no ano, dinheiro que daria para fazer um belo churrasco. O gasto com o pãozinho não é pequeno demais para deixar de ser alvo do planejamento rumo à prosperidade financeira

22. Grandes gastos podem não ser tão pesados assim
Um bom planejamento financeiro pode deixar leve um gasto que parece pesado. Exemplo: pintar sua casa. Digamos que o orçamento fique em R$ 2.400,00 e que você pinte a casa a cada três anos. Dividindo R$ 2.400,00 por 36 meses e aplicando R$ 67,00 por mês na poupança durante três anos, o gasto fica leve. Após um suave esforço poupador, a família teria R$ 2.700,00 com os juros ganhos no período

23. Multiplique seu dinheiro com dívidas mais prudentes
Pagar tudo à vista e com um bom desconto é um dos segredos para enriquecer de verdade. Todos que trabalham têm o direito de querer o que é bom, mas também o dever de correr atrás do que é bom com inteligência: da forma mais rápida (quitar o bem o quanto antes), mais suave (pagando menos juros; ou, melhor ainda, não pagando juros) e mais segura (sem o risco de não conseguir pagar, perder o bem e ficar inadimplente)

24. Para realizar um sonho de consumo, parcele tudo em bons investimento
s Dificilmente alguém terá sempre dinheiro sobrando para comprar tudo que quer. Mas a única escapatória não é parcelar no cheque, cartão de crédito ou boleto do crediário. É tentador, pois se leva o bem para casa antes e paga-se depois. Mas esses parcelamentos têm um terrível defeito: a carga extra de juros. Sugiro que parcele antes, poupando e investindo todo mês, para comprar depois, à vista e com descontos. Em vez de pagar, receber juros

25. Multiplique seu dinheiro com investimentos mais dinâmicos
Muitos ainda enxergam o investimento em ações como um cassino, quando trata-se, na verdade, de uma forma superdinâmicas de investimento que pode ser muito segura. Para aplicar com segurança compatível à da poupança, invista em ações de grande liquidez com foco no longo prazo. Boas empresas, em bons setores e bem geridas tendem a ter bons resultados com o passar do tempo, e isto ajudará o preço de suas ações a crescer de forma consistente, com retorno bem acima do obtido com aplicações mais convencionais

26. Esqueça essa bobagem de querer ficar rico!
Ter muito dinheiro para quê? Para viver bem! Então, vamos mudar o foco: o objetivo final não está nos “cifrões”, mas na realização de usufruir da qualidade de vida almejada. Se você acha que precisa de R$ 1 milhão (ou dois, ou três) e se der para se planejar para chegar lá, vá fundo! Mas planeje e gerencie seu dinheiro para poder viver bem hoje e sempre. Conheço multimilionários que não vivem bem, mas sei de gente com renda modesta que toca sua vida material com dignidade e coleciona sorrisos

27. Educação financeira transformadora = bom conhecimento em prática
Quem se dá bem com dinheiro cultiva em sua vida quatro providências combinadas, e a falta de uma delas na prática comprometerá as outras três: 1) qualificar-se profissionalmente, trabalhar e ganhar o máximo que conseguir de forma ética; 2) ter gastos mais econômicos, sempre enxutos e bem controlados, focados na qualidade de vida; 3) ter dívidas mais prudentes, evitando o pagamento de juros; 4) ter investimentos mais dinâmicos, para ganhar juros sobre juros

EDUQUE-SE FINANCEIRAMENTE

Educação Financeira é tão importante que deveria ser um assunto discutido em família, orientando as crianças desde cedo quanto à importância de saber o valor das coisas e como administrar o que temos.

A maioria das famílias não sabe administrar sua renda e acabam gastando boa parte dela para pagamento de juros em empréstimos e crediários, quando na verdade esse dinheiro poderia ser aplicado para melhorar a qualidade de vida de sua família e realizar sonhos.

Para ter uma vida financeira equilibrada precisamos traçar objetivos bem claros e concretos dentro da nossa realidade. Temos a tendência de sempre achar que o que ganhamos é pouco, quando na verdade o problema não é quanto ganhamos e sim como gastamos.

Não adianta ter uma renda maior se não aprender a lidar emocionalmente com essa situação. Temos que aprender a organizar nossa vida financeira, para isso é necessário que tenhamos um plano de contas com todos os nossos gastos e com toda a nossa renda para que possa ficar claro, para onde tem ido o nosso dinheiro; se está sendo bem gasto ou se gastamos em excesso. Geralmente pecamos nos pequenos detalhes.

– Observe se tudo o que você compra é realmente necessário.

– Registre todas as despesas durante o mês. Você vai se surpreender com os gastos extras.

– Ressuscite a lista de compras para ir ao supermercado. Não confie na sua memória, assim você terá certeza que está comprando o que realmente precisa.

– Fuja das armadilhas do marketing, evite tomar decisões após ver um anúncio.

– Tenha sempre metas a alcançar e se esforce para realizá-las.

– Seja menos preguiçoso, pesquise antes de comprar.

– Se possível espere um pouco para juntar o dinheiro e compre à vista, você terá desconto e não ficará com mais uma divida.

– Tome cuidado com cartões de crédito, temos a tendência de gastar mais quando utilizamos essa forma de pagamento.

– Ensine seus filhos a também economizar.

– Na farmácia, sempre que possível escolha medicamentos genéricos, a diferença de preços entre estes e os medicamentos tradicionais podem atingir valores astronômicos e os produtos são idênticos.

– Resista à tentação de comer constantemente fora de casa.

– Deixe o carro em casa, às vezes sai mais barato utilizar o transporte coletivo, sem falar que o meio ambiente agradece.

– Separe todos os meses um valor para investir em uma poupança ou outros meios de investimentos.

– Lembrem-se imprevistos acontecem, mantenha sempre uma reserva para esses momentos.

– Acima de tudo lembre-se sempre de todos os seus sonhos e objetivos e o quanto você se empenha para realizá-los e como será bom quanto isso acontecer. Contemple a vitória enquanto espera!

– Cuidado para não comprar mais produtos do que precisa da empresa em que você empreende.

– Cuidado ao fazer estoque de produtos para não ficar com eles encalhado.

– Provoque conversas positivas sobre dinheiro na família e entre amigos

– Reserve uma verba para ser feliz, ou seja, dê à qualidade de vida a mesma importância que dá à moradia ou à educação

-Montar um ranking de prioridades nos gastos, colocando em primeiro o que dá mais prazer, como a prática de um esporte ou a manicure semanal

– Valorizar os pequenos itens de consumo, esforçando-se por economizar nos grandes, como casa e carro

– Ter um Plano B para cada meta

– Contar sempre com ao menos 30% das reservas em renda fixa, com liquidez, para poder aproveitar oportunidades de consumo

– Barganhar e comprar à vista é uma forma de investir, mas desde que você tenha também outras fontes de investimento

– Todos devem pensar em fazer dinheiro e não em ganhar dinheiro: fazer demonstra atividade, enquanto ganhar demonstra passividade

– Todos têm talento para produzir dinheiro, então aumente sua remuneração, seja pela maior especialização em sua atividade atual, seja por criar novas fontes de renda

– Anteveja o que acontecerá com seu dinheiro antes de dar destino a ele. Ou seja, se você troca seu dinheiro por mais um sapato, você não tem mais dinheiro, e, sim, um artigo que sairá da moda em breve. Se você coloca seu dinheiro em uma aplicação financeira, em breve terá o dinheiro e mais uma quantia para comprar sapatos a cada estação

– Salve seu dinheiro da morte livrando-se do consumo tolo que não te leva a lugar algum, como comer um pão de queijo enquanto espera o avião. Todos devem ter foco em consumir o que é duradouro: desta forma, as grandes conquistas serão muitas, e não raras, ficando quase sempre no campo dos sonhos, que nunca serão atingidos

– Turbine seus investimentos: há vida muito mais rentável e segura que a caderneta de poupança

– Invista fora da grande rede de varejo bancário. O que é bom para o banco só é bom para seus acionistas, e não para os clientes. Adoro ser sócio do meu banco, mas detesto ser cliente dele

– Destine o mínimo de 10% de sua renda para investimento seu e de seus filhos. No futuro, eles te agradecerão por ter diminuído o lixo do planeta ao trocar um brinquedo por investimento, e também te agradecerão por ter garantido os estudos deles com esta troca

– Faça seguros para proteger a você, seu patrimônio, seus bens e seus familiares dos infortúnios que a vida pode trazer e que podem destruir em segundos o que levou anos para ser conquistado

– Sempre esforçar-se por uma boa negociação

– Assumir a responsabilidade por suas decisões financeiras: a culpa não é dos outros ou “do sistema”

– Manter um orçamento doméstico bem feito, detalhado e atualizado

– Usar o crédito apenas quando a negociação envolver construção de patrimônio e futura geração de renda

– Incluir o tema dinheiro na agenda familiar, com diálogo, reuniões, tomada de decisões etc.

– Investir sempre, independentemente do valor, para que isso se torne um hábito

– Destinar parte da receita mensal para construir liberdade futura (renda passiva)

“A melhor maneira de melhorar o padrão de vida está em melhorar o padrão de pensamento.” (U. S. Andersen)

Fonte: SUCESSO NETWORK MARKETING

Leia Também…

MANUELDOLIVEIRAFILHO

Mercado de Venda Direta é maior do que havia sido identificado e divulgado.

A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) refinou a metodologia de pesquisa, ampliando seu foco e identificando interessante mudança no mix de produtos comercializados pelo canal. Ou seja, o segmento de VD no Brasil, acabou de ser redimensionado.

Após um longo e complexo trabalho de pesquisa, a ABEVD finalizou um estudo sobre o mercado nacional de vendas diretas, com vistas a dimensionar o seu tamanho.

A pesquisa contou com a aplicação de nova metodologia, para aprimorar o processo de levantamento de dados. Como resultado, a entidade concluiu que o volume de negócios em 2016 foi 13% superior que o considerado anteriormente.

Ou seja, as vendas diretas movimentaram R$ 45,7 bilhões, montante R$ 5,3 bilhões maior que os R$ 40,4 bilhões antes apurados.

O número de revendedores mantém-se o mesmo: 4,3 milhões de empreendedores.

A diretora executiva da ABEVD, Roberta Kuruzu, explica que antes desse aprimoramento os números das vendas diretas eram balizados basicamente pelos setores que tradicionalmente adotam esse modelo. “A nova metodologia apontou que houve melhoras decorrentes da maior contribuição dos players.

Mas, além disso, ampliamos o olhar para além do mercado de cosméticos, que era de onde extraíamos boa parte da nossa base de dados. Houve ainda refinamento de outras categorias: saímos a campo e nos aprofundamos nas outras classes de produtos e serviços que estão migrando ou adotando as vendas diretas – um processo que vimos observando há algum tempo e que também passa pelo fenômeno da multicanalidade, na qual empresas adotam diversos meios para comercializar seus produtos ou serviços”, diz.

A executiva complementa: “A entrada de novas empresas para o canal reforça a relevância do setor e mostra respaldo e confiança neste modelo de negócio”.

Com o dimensionamento foram avaliadas 11 categorias principais de produtos, seguindo a classificação internacional da World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA).

As categorias e suas participações no total de vendas são:

• Cosméticos, perfumaria e higiene pessoal, 40,4%;
• Vestuário, 11,8%;
• Acessórios, 10,3%;
• Alimentos, 6,6%;
• Cuidados da casa, 6,1%;
• Utilidades domésticas, 4,6%;
• Livros, brinquedos, CD, DVD, software, games, 4,1%;
• Telefonia, internet, TV por assinatura, 3,3%;
• Serviços de reforma da casa (sistema de segurança, aquecimento, refrigeração, reformas etc.), 3,3%;
• Produtos financeiros (títulos de capitalização, seguros, investimento, cartão de crédito etc.), 2,7%;
• Vinhos, comida congelada, 2,3%;
• Outros, 4,4%.

Os dados do 1º quadrimestre de 2017, ainda trazem um cenário de dificuldade comparando-se com os de 2016, cujo histórico também foi devidamente atualizado com a nova metodologia de pesquisa. No acumulado do ano (jan-abril), o volume de negócios apresentou queda (-2,8%), fechando em R$ 13,7 bilhões.

Brasil se mantém na 6ª posição do ranking da WFDSA

A World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), entidade que agrega mais de 60 associações de empresas de vendas diretas e da qual a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) é associada, divulgou os resultados do setor em todo mundo em 2016.

O Brasil manteve-se na sexta posição do ranking, atrás de Japão, Alemanha, Coreia do Sul, China e Estados Unidos.

Com cerca de 4,3 milhões de empreendedores pelo país, o mercado brasileiro representa 5% do segmento mundial e continua sendo o mais importante da América Latina.

Leia Também…

MANUELDOLIVEIRAFILHO

Gostaria de ser Próspero? Já pensou em empreender?

Que bom que você parou para ler este Post, eu sou empreendedor e ajudo outras pessoas a assumirem as rédeas das próprias vidas e gostaria de promover uma reflexão na sua vida como ocorreu na minha vida algum tempo atrás. Você já parou para pensar a quantidade de pessoas que hoje não tem tempo para as pessoas mais importantes da família? Quantas famílias acabam por conta dessa falta de tempo? Já parou para pensar a quantidade de pessoas que trabalham com coisas ou empregos que não veem significado naquilo? Simplesmente passam o dia no trabalho que elas não amam o que fazem mas mesmo assim  deixam a vida levar. Estatisticamente a maioria dos casamentos acabam por problemas financeiros, mais de 85% dos casamentos acabam decorrentes por falta de dinheiro! Então, poxa vida, por que será que ainda as pessoas ainda ficam desse jeito e não tomam atitude em relação a isso? E sabendo que é totalmente possível tomar uma decisão para melhorar suas vidas. Mas por conta da educação que a maioria das pessoas tiveram e por conta dos seus pensamentos e acabam seguindo a manada, a manada faz tudo exatamente igual, a manada faz tudo o que a maioria está fazendo. E qual o cenário? O resultado é que estão todos insatisfeitos.

Uma pesquisa feita pela ISMA BRASIL  mostra que mais de 82% dos brasileiros estão insatisfeitos com seus trabalhos. E outro ponto importante outra pesquisa feita pelo IBGE que a média de ganho do brasileiro é de R$2.200,00. E somente 1% da população ganha R$13.000,00 por mês. Agora eu lhe pergunto, como é possível realizar os sonhos de fato, conseguir fazer viagens incríveis, dar o melhor plano de saúde para família, promover segurança para família ganhando o que a maioria ganha? Eu descobri um jeito de mudar isso, um jeito de mudar esse cenário. A solução é assumir as rédeas da própria vida. É entender que você pode, é um caminho que não dependas do seu chefe, que você não dependa mais de outras pessoas ou situações, que você possa fazer seu próprio caminho. E através do seu esforço ganhar muito mais que a maioria dos brasileiros ganham ajudando outras pessoas, eu descobri isso e mudei minha vida por conta disso. 

Hoje qual meu propósito de vida, como eu conduzo minha vida, simplesmente ajudando outras pessoas a tomarem a mesma decisão. Eu te faço uma pergunta, hoje o plano que você tem para se tornar próspero está sendo aplicado? Você tem o plano para se tornar próspero? Hoje você tem a possibilidade de passar mais tempo com sua família? Hoje você tem a possibilidade de ajudar outras pessoas? Se as respostas possivelmente forem NÃO com certeza terá que pagar um preço alto lá na frente e irá se decepcionar com a vida que terá posteriormente e quero te ajudar!

Se fez sentido para você entre contato comigo. Meu nome é Manuel D Oliveira e sou Empreendedor Independente e estou aqui para mudar sua realidade. Entre em CONTATO para tirar suas dúvidas comigo e mudar a sua realidade!

Leia Também…

MANUELDOLIVEIRAFILHO

A Resistência do Marketing Multinivel no Brasil

Participo de inúmeros grupos relacionados a empreendedorismo, marketing digital e marketing multinível.

Sempre me deparo com críticas, por vezes ásperas, relacionadas ao marketing multinível.

Mesmo estando presente no Brasil há mais de 30 anos, existem pessoas que não acreditam nessa poderosa estratégia de marketing.

Infelizmente parte desse descrédito se deve ao fato de inúmeras empresas terem utilizado o modelo de forma criminosa.

É comum encontrarmos parentes e amigos que foram prejudicados financeiramente por algumas dessas empresas.

Além dessa situação, o fato de não existir uma legislação específica para o setor, gera incertezas e incentiva novas empresas a utilizarem esse modelo sem qualquer critério.

Felizmente temos a ABEVD – Associação Brasileira de Vendas Diretas, que exerce certa função reguladora no mercado, ainda que limitada.

Por não ser um órgão de fiscalização oficial, a ABEVD apenas encaminha para o Ministério Público as denúncias.

Vale ressaltar que a ABEVD não trabalha exclusivamente com empresas do modelo de marketing multinível.

Contudo, uma vez que essas empresas estão inseridas no mercado de vendas diretas, ela se preocupa em orientar tanto consumidores como revendedores (distribuidores).

Se existisse por parte das autoridades públicas, uma fiscalização mais ATIVA, milhares de pessoas não seriam lesadas anualmente por falsas empresas de multinível.

Então, para evitar qualquer tipo de fraudes meu conselho é que você inicie um negócio somente com empresas registradas há mais de 5 (cinco) anos na ABEVD.

Se a empresa participar de outras associações como ABF, ABHIPEC, Associação Comercial ou mesmo ANVISA é um sinal de seu compromisso com a legalidade.

Marketing Multinível uma grande oportunidade

Nos últimos anos a internet se tornou uma grande força para a promoção desse mercado.

Com a tecnologia de acesso cada vez mais facilitada, a velocidade para se promover um novo negócio é imensa.

Nas redes sociais, grupos e sites, centenas de pessoas estão em busca da “grande oportunidade” para transformar suas vidas.

Meu objetivo aqui é promover de forma honesta e responsável esse modelo de negócio.

Então, você deve saber que ao iniciar um novo projeto terá que vencer grandes barreiras como o preconceito e a descrença.

Vamos abaixo ver quais são as principais dificuldades que você irá encontrar no modelo tradicional de trabalho.

Falta de conhecimento

A internet é uma fonte inesgotável de informação, mas precisamos aprender como diferenciar aquelas que são realmente confiáveis.

Ao ser apresentado a uma empresa de marketing multinível não deixe que as emoções falem mais alto.

Mesmo se a pessoa que lhe apresentou o negócio seja seu melhor amigo, peça um tempo para analisar o material, a empresa e as informações sobre o negócio.

Se você nunca ouviu falar em marketing multinível comece sua pesquisa por sites confiáveis como da ABEVD – Associação Brasileira das Empresas de Vendas Diretas.

Pesquise em sites de jornais ou revistas de negócios e veja algumas sugestões em links confiáveis.

Quanto mais informação de qualidade você conseguir encontrar mais seguro estará para tomar sua decisão.

Também pesquise sobre como o trabalho é feito no dia a dia e quais dificuldades você irá encontrar em relação a tempo.

Organizar e participar de reuniões de apresentação, semanais ou diárias, irão consumir boa parte dele então prepare-se.

Veja se realmente está disposto a iniciar o trabalho com esse modelo de negócio, muitas pessoas desistem pois não entendem como o trabalho será desenvolvido.

A grande maioria se impressiona somente com as oportunidades de ganho e não fazem um planejamento de trabalho sério para desenvolver seu negócio de forma produtiva.

Experiência frustrante

É natural encontrarmos pessoas, amigos e parentes que de alguma forma se frustraram com o marketing multinível.

Infelizmente eles não são a melhor fonte de informação ou motivação para quem deseja começar um novo projeto.

Claro, que a experiência deles é importante e deve ser levada em consideração no momento da análise da proposta e oportunidade.

Mas, para algumas pessoas é mais fácil transferir a culpa de seu fracasso para a empresa ou patrocinador do que assumi-la.

O fato de não terem tido sucesso no negócio, não significa que acontecerá o mesmo com você.

Procure entender quais foram as principais dificuldades, onde eles erraram e avalie os prós e contras.

Porém, não deixe de se dar uma chance para buscar a realização de seus sonhos.

Dificuldade em promover o negócio

Outro grande motivo de descrença está em acreditar que esse negócio pode ser desenvolvido apenas nas horas vagas.

Sim, você poderá utilizar suas horas vagas, mas deverá criar mais algumas horas vagas abrindo mão do seu descanso ou tempo com a família.

Ninguém que alcançou o sucesso nesse modelo de negócio o fez trabalhando apenas 1 hora por dia, não no modelo tradicional.

Contudo, essa dificuldade vem diminuindo significativamente quando se inicia o projeto de forma online através das ferramentas do marketing digital.

Nós podemos lhe ajudar caso deseje saber como criar um modelo de trabalho digital.

Escolhas erradas

Muitas pessoas, acreditam na primeira oportunidade que encontram, digo isso por experiência própria.

Mais tarde porém começam a acreditar que fizeram escolhas erradas em relação a empresa ou seu patrocinador.

Abaixo vamos abordar alguns aspectos das duas situações.

1. Empresa

Conheça bem a empresa que você pretende se associar, sempre verifique se ela está cadastrada na ABEVD.

Não cometa os erros de muitas pessoas em se associar em empresas que prometem ganhos fáceis ou não ter produtos ou serviços válidos. Esse é o grande erro, depois fazem críticas infindáveis ao Marketing Multinivel depois que são lesadas por esquemas criminosos.

Hoje tenho uma firme convicção de que empresas que não atuam nos segmentos de cosméticos, saúde e bem-estar, levarão anos para atingir o sucesso.

O Marketing Multinível (MMN) é uma estratégia de vendas e no Brasil, até o momento, o modelo só funciona com produtos de consumo.

É muito importante que exista a recorrência da compra para que os ganhos também se tornem recorrentes.

2. Patrocinador

Outro ponto que poderá atrapalhar o desenvolvimento de seu negócio é a escolha do patrocinador.

Mesmo que muitos líderes afirmem que você é o único responsável por desenvolver seu negócio, um bom patrocinador poderá lhe poupar muito tempo.

Infelizmente muitas pessoas desistem de continuar no negócio por falta de apoio da linha ascendente.

Na maior parte dos casos o patrocinador é tão inexperiente quanto aquele que está patrocinando.

Assim, se não houver uma proximidade muito grande com alguém mais experiente da linha ascendente, a possibilidade de desistência é muito grande.

Críticas de familiares

A função primordial da família é a proteção.

Desde os primórdios da humanidade sempre andamos em grupos com o objetivo de nos fortalecermos contra as ameaças.

Normalmente ao iniciar um novo projeto, qualquer que seja ele, seu maior desejo é compartilhar com seus familiares a sua grande oportunidade.

Mas infelizmente são dos familiares que recebemos as primeiras rejeições ou condenações.

Saiba que não estão agindo assim por maldade, estão tentando apenas lhe proteger de alguma futura frustração ou fracasso.

Por ser um modelo autônomo e empreendedor, sem garantias ou segurança em relação aos ganhos futuros é natural que desconfiem e tenham uma visão protetora.

A melhor forma de se evitar esse conflito inicial é dizer que estará começando devagar.

Esclareça que você está analisando cuidadosamente os prós e contras e que dará os primeiros passos com muita calma e de forma segura.

Os “multichatos”

Você já conheceu pessoas que acabaram de iniciar um projeto em uma empresa de marketing multinível?

É impressionante que a partir daquele momento nada mais faz sentido a não ser desenvolver o negócio e convidar outras pessoas para fazerem o mesmo.

Eles acreditam que essa é a única oportunidade que tarão para transformar sua vida e de sua família.

Fazem uma lista e começam a ligar para todos os seus amigos, mesmo aqueles que não veem há anos, desde a formatura do colegial.

São insistentes e falam o tempo todo sobre o negócio e como ficarão ricos. Eles se tornam os “multichatos”.

Se você vai iniciar um projeto não seja um “multichato”.

As pessoas tem o direito de formarem opiniões diferentes da sua e acreditarem em outras formas de ganhos.

Algumas pessoas chegam ao ponto de ofender seu amigos, quase que chamando-os de burros, por não entrarem na rede deles.

Nunca haja dessa forma, você irá muito mais repelir do que atrair pessoas para o seu negócio.

Eu não sou vendedor

Por fim uma das mais clássicas dificuldades que encontramos nesse negócio, o problema com as vendas.

Muitas pessoas acabam imaginando que o negócio de marketing multinível deve necessariamente se basear na venda de produtos.

Acabam comprando um kit com dezenas de produtos e começam a oferecer para muitos amigos.

Inicialmente esses amigos, para conhecerem o produto ou mesmo como forma de incentivo, acabam comprando alguns itens.

Mas com o passar dos dias as vendas começam a cair e você começa a desanimar.

Não estou me referindo as pessoas que saem para vender todos os dias.

Estou imaginando um pai de família, que tem seu emprego formal e pouca habilidade com vendas.

Em alguns casos os produtos se acumulam em casa e você começa a acreditar que seu capital foi mal investido.

Você sabia que os grandes líderes do marketing multinível não vendem os produtos da empresa?

Sim, na sua grande maioria eles usam os produtos apenas, ou presenteiam os produtos para amigos e parentes.

Claro que a venda ajuda a recuperar o investimento inicial e até mesmo proporcionar um lucro inicial.

Esse lucro irá lhe ajudar nas despesas como pagamentos de eventos e viagens.

Mas entenda que é no seu consumo e de seus familiares que o negócio irá se manter a longo prazo.

Por isso ressaltei que é importante você participar de empresas dos segmentos de cosméticos, saúde e bem-estar.

Ao longo do tempo você não precisará mais vender, apenas consumir e compartilhar os produtos.

Concluindo

Se você ainda não iniciou um negócio em marketing multinível esses são apenas alguns desafios a serem vencidos no modelo tradicional de trabalho.

Caso já esteja no mercado tenho certeza que enfrentou cada um desses problemas.

Muitas pessoas desistiram no meio do caminho, outras superaram e ainda outras estão passando por eles nesse exato momento.

Minha mensagem final é para que você não desanime, existe uma solução para superar cada uma dessas dificuldades.

Através do modelo digital de marketing multinível você poderá aplicar técnicas de prospecção e recrutamento online na internet.

Esse modelo digital acelera seu crescimento, maximiza seu tempo e ainda muitos recursos financeiros na sua jornada pelo marketing multinível.

Gostaria de te ajudar a iniciar ou retomar essa excelente oportunidade de negócio com segurança e tranquilidade.

MANUELDOLIVEIRAFILHO

Brasil continua como sexto maior mercado de MMN e Vendas Direta do Mundo

A World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), entidade que agrega mais de 60 associações de empresas de vendas diretas e da qual a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) é associada, divulgou os resultados do setor em todo mundo em 2016.

O Brasil manteve-se na sexta posição do ranking, atrás de Japão, Alemanha, Coreia do Sul, China e Estados Unidos.

Com cerca de 4,3 milhões de empreendedores pelo país, o mercado brasileiro representa 5% do segmento mundial e continua sendo o mais importante da América Latina.

Sobre a ABEVD
A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) é uma associação sem fins lucrativos, fundada em 1980 com o objetivo de promover e desenvolver as Vendas Diretas no Brasil.

Com mais de 65 empresas associadas dos mais diversos setores, a ABEVD busca essencialmente a prática da relação saudável entre consumidores e vendedores e o oferecimento de produtos de alta qualidade por um preço competitivo e alinhado com as necessidades dos clientes.

A venda direta é um sistema de comercialização de bens de consumo e serviços baseado no relacionamento entre vendedores e compradores.

Todas as suas ações são apoiadas nos Códigos de Ética das Vendas Diretas e que contém disposições relacionadas à conduta das empresas nos relacionamentos com os vendedores diretos, assim como no relacionamento entre as próprias empresas e consumidores e visam contribuir para a promoção da concorrência leal, respeitando a livre iniciativa e melhorar a percepção da sociedade sobre a Venda Direta como sendo uma oportunidade de trabalho e geração de renda.

Leia Também…

MANUELDOLIVEIRAFILHO

O que é Prosperidade, qual seu significado?

Prosperidade é o estado ou qualidade do que é próspero, ou seja, bem-sucedido, feliz e afortunado.

A prosperidade é um estado que é cobiçado por quase todos os seres humanos, que desejam atingir padrões de vida que lhe garantam a contínua sensação de contentamento e estabilidade emocional.

O que caracteriza a prosperidade é a condição de constante desenvolvimento e progresso de determinada situação.

Por exemplo, o aumento do salário, a promoção para um cargo profissional superior, a aprovação num concurso público e outras ações que representam o avanço, podem ser responsáveis por constituir o estado de prosperidade.

Normalmente, a prosperidade é relacionada com a abundância de bens e riquezas materiais, no entanto, existe o conceito, difundido principalmente por algumas doutrinas religiosas, que esta qualidade também é referente ao comportamento emocional dos indivíduos, envolvendo o equilíbrio mental e espiritual das pessoas.

Para os cristãos, por exemplo, a prosperidade é uma das virtudes conquistadas a partir do seguimento de regras e mandamentos estabelecidos pela Igreja em nome de Deus.

Neste caso, a chamada “prosperidade de Deus” consiste na ideia da realização de todos os planos e objetivos que determinada pessoa almeja, como “recompensa” por seguir todas as regras de conduta ditadas pela religião.

Etimologicamente, a palavra prosperidade se originou a partir do latim prosperitate / prosperare, que significa “obter aquilo que deseja”. Por sua vez, o termo latino é formado pela junção dos elementos pro, que quer dizer “a favor”, e spes, que significa “esperança”.

Sinônimos de prosperidade

  • Felicidade
  • Sucesso
  • Bonança
  • Ventura
  • Fortuna
  • Abastança
  • Profusão
  • Fartura
  • Abundância
  • Riqueza
  • Desenvolvimento
  • Progresso
  • Melhoria
  • Crescimento

A chave da Prosperidade é a Abastança ! Mas afinal o que é Abastança?

Abastado significa rico, farto, abundante. É um adjetivo normalmente utilizado para caracterizar alguém que é possuidor de muitos bens, que tem uma grande fortuna e vive sem preocupações financeiras. O indivíduo abastado é aquele que é provido de tudo que é necessário para sua sobrevivência.

Quando se fala em uma família abastada significa que há prosperidade, riqueza e abundância de bens materiais. A classe social mais abastada representa a classe alta, a classe A, que engloba as pessoas endinheiradas e de elevado status social.

O termo também pode ser utilizado para fazer referência a uma mesa farta ou ainda a uma despensa que está completamente abastecida de mantimentos.

Abastado é sinônimo de endinheirado, afortunado, próspero, abonado, afiançado, opulento e abundante. O inverso de abastado é necessitado, insuficiente, escasso etc.

Leia Mais….

MANUELDOLIVEIRAFILHO

Aprenda a avaliar uma empresa para escolher a melhor pra você

São 21 itens que devem ser avaliados. Cada item vale um ponto. Crie o Ranking das empesas que você está avaliando.

1. INOVAÇÃO
A empresa precisa ter em seus portfólio produtos inovadores e exclusivos para levar vantagem frente a concorrência e facilitar o processo de vendas de seus distribuidores

2. TIMING
Ser pioneiro e entrar logo no inicio representa uma grande oportunidade. Não que isso seja necessário para você chegar onde quer, mas sempre é bom estar entre os primeiros.

No Brasil, mesmo que uma empresa tenha 1,8 milhões de cadastrados, é muito possível chegar ao topo, dependendo do segmento e da quantidade de produtos que a empresa possua.

3. CAPITAL PRÓPRIO ESTRUTURA
A empresa necessita de capital próprio, que garanta toda a operação de fabricação, prêmios, capital de giro, sistema, mão de obra, logística, tecnologia, atendimento ao distribuidor e marketing, sem empréstimo e financiamentos por período superior a 3 anos, independente de entrada de receita.

4. PLANO DE COMPENSAÇÃO
O plano tem que ser competitivo, apresentar possibilidades reais de ganhos a curto, médio e longo prazos a empresa e distribuidores, sem depender da taxa de adesão. O plano deve ser viável e sustentável, considerando ganhos financeiros para a base proporcional aos ganhos financeiros do topo superior.

5. FORÇA DA MARCA
Quanto mais conhecida e forte a marca institucional, mais vantagem a empresa irá levar sobre as empresas concorrentes.

6. QUALIDADE DOS PRODUTOS Toda empesa deve possui produtos com altíssima qualidade, design persuasivo e adequado ao seu público-alvo. Qualidade não é uma opção ou vantagem. É obrigação, pois ninguém duplica o que não é bom.

7. GESTÃO
Gestão altamente qualificada é essencial para uma administração competente e profissional. Gestões amadoras e paternalistas, permitem erros no processo de tomada de decisão que podem liquidar o presente e o futuro da empresa.
Os departamentos devem ter excelência, bem como os executivos e gestores da empresa.

8. MARKETING
Um marketing forte, inteligente e agressivo, cria vantagens competitivas para a empresa que resultarão em ganhos para o negócio e para a rede. Uma empresa sem marketing, já apresenta erro de gestão e de competência.

9. MIX DE PRODUTOS
A empresa deve possuir produtos para um público-alvo muito bem definido. Deve-se considerar que quanto mais produtos possuir em seu portfólio melhor. E quanto maior a linha de produtos e seus segmentos mais vantagens de resultados oferece a rede.

10. PREÇO
Os preços precisam estar dentro da realidade do mercado e de acordo com a qualidade, valor da marca e da inovação que possui. E precisam oferecer boa margem de revenda e/ou de pontuação.

11. SISTEMA DE TREINAMENTO
Além de ser muito bom, precisa ser acessível, prático e duplicável. Precisa se fundamentar em 5 áreas: EMPRESA; PRODUTOS; PATROCINIO; QUALIFICAÇÃO PESSOAL E MOTIVAÇÃO.
E para cumprir seus objetivos deve oferecer um sistema que compreenda: áudios, vídeos, treinamento pessoal do patrocinador, palestras de reforço, palestras técnicas e motivacionais, através de diversas ferramentas, técnicas e metodologias.

12. POTENCIAL DE CRESCIMENTO
Deve oferecer grande potencial de crescimento geográfico no país e no mundo para vendas e duplicação. Quanto maior o portfólio de produtos, para diferentes públicos e segmentos, maior o potencial de crescimento e resultado.

13. TIPO DE PRODUTOS
Independente do segmento em que a empresa atua, é importante que possua produtos de uso diário e produtos mais duráveis, desde que sejam essenciais a necessidade das pessoas. Produtos mais caros, aumentam o ticket médio e complementam os ganhos com os produtos mais acessíveis e comercializáveis.

14. VERACIDADADE DAS INFORMAÇÕES
Muitas empresas exageram em sua comunicação, transmitindo dados inverídicos para impressionar e atrair distribuidores, que por sua vez, exageram ainda mais na busca de convencer e atrair pessoas. Essa prática deturpa a realidade do negócio e ilude as pessoas, criando uma empresa, um negócio e produtos fora da realidade. Uma empresa competente age de forma ética e não enganando pessoas.

15. VANTAGENS PARA LIDERES
A prática de empresas “comprarem” lideres é muito comum no Brasil. O oferecimento de vantagens pessoais, para que troquem de empresa e tentem levar sus redes é tão comum quanto líderes também oferecem dinheiro, kits, posições e vantagens, tornando o negócio bom para quem recebe a vantagem e não tão bom para quem segue os líderes. Atenção para não virar refém da construção de riqueza para lideres egoístas que pensam neles e não na rede. A empresa e líderes precisam ter uma conduta ética no dia a dia da atividade.

16. TAXA DE REJEIÇÃO
Quanto mais qualidade, força da marca, estabilidade e imagem positiva a empresa tiver, melhor para o negócio e mais fácil o crescimento. Empresas com problemas de imagem, que já nascem cometendo falhas, que oscilam no mercado, que possuem alta taxa de turnover, eu atrasem pagamentos ou entrega de produtos, ou que mudem seus planos para diminuir lucratividade de seus distribuidores oferecem riscos e alta de rejeição, o que dificulta vendas ou patrocínios.

17. VANTAGENS SOBRE CONCORRENTES
É fundamental que a empresa possua barreiras de entrada para que concorrentes não consigam copiar estratégias, produtos ou os diferenciais que oferecem vantagem competitiva. Avalie as vantagens que a empresa possui frente a concorrência.

18. TEMPO DE EXISTÊNCIA
É fundamental que a empresa possua mínimo de 2 anos de atuação.
Entrar numa empresa na fase de nascimento é uma desvantagem porque durante um determinado período, o empreendedor terá que pagar o preço pelo pioneirismo, pela desestrutura da empresa, pelos poucos produtos.
Por outro lado, quando a empresa deslanchar, o empreendedor que se manteve firme, poderá ter uma grande rede descendente, caso a empresa dê certo.

19. AFINIDADE COM A EMPRESA E PRODUTOS
É fundamental ter afinidade com a empresa, com os produtos, com as diretrizes e valores da Cia.
Amar a empresa, ser fã de seus produtos é muito importante.

20. SISTEMA DE PREMIAÇÃO E INCENTIVO
Lembre-se que os prêmios são dados a quem atinge as metas fixadas pelo plano. O empreendedor é quem gera a receita para conquistar o prêmio. Avalie quantos pontos são necessários e quanto em dinheiro. Avalie a relação entre pontos x dinheiro x prêmios. Desejar uma BMW por exemplo não basta. Quanto de dinheiro terá que gerar para conquista-la e em quanto tempo?

21. SISTEMA CONTÁBIL
Vale a pena verificar se a empresa é ética, transparente e não sonega impostos. Empresas que possuem centros de distribuição ou franquias na mão de líderes ou empreendedores podem privilegiar estes e adotar práticas desleais ou de sonegação fiscal.

Leia Também…

MANUELDOLIVEIRAFILHO

Você se acha velho!?

Acha que passou dos 50 e a vida termina na aposentadoria?

Não foi o que o americano fundador da KFC, Harland David Sanders, também conhecido como Coronel Sanders, achou quando completou 65anos.

Para a maioria fazer 65anos é o início da velhice, aposentadoria, é colocar o pé no freio, deixar de arriscar, investir e cuidar da casa, netos e saúde.

Mas quem disse que não se pode escolher todas essas opções e paralelamente construir uma nova história aos 65anos.

Um novo destino que pode ser mais interessante, prazeroso e rentável para aproveitar mais tranquilamente e sem problemas financeiros, a maturidade.

Nem sempre se consegue viver bem, saudável e com sanidade mental, se não tiver independência financeira para custear bons médicos, hospitais e medicações.

Iniciar novos planos, oportunidades faz bem também pra saúde, a memória e longevidade aumentam quando se aprende coisas novas, novos trabalhos, novos estudos e metas.

Coronel Sanders ouviu 1009 NÃOS para iniciar seu negócio.

Chegou a ser uma maiores redes de fast food do mundo, um negócio bilionário.

Já imaginou se ele tivesse a crença negativa e preconceituosa que na melhor idade deve-se ficar em casa, e que empreender não é pra gente madura!? 

Se você se identificou, está incomodado e quer mudar de situação com o empreendorismo.

Conte com a gente.

Entre em contato.

MANUELDOLIVEIRAFILHO

Diferenças entre Pirâmide e Marketing de Relacionamento (MMN)

O tempo passa, esquemas fraudulentos desaparecem (por um tempo), mas ainda assim os operadores do legítimo marketing de relacionamento sofrem com o preconceito de uma sociedade ignorante.

Não quero me aprofundar, pois não quero correr o risco deste artigo ficar tão chato e de difícil compreensão que ninguém aguente ler até o final, pois sei da importância do tema.

Mas algumas coisas que explicarei aqui, por mais extensas que sejam, serão de utilidade para quem trabalha neste segmento, em busca de educar as pessoas que, porventura, ainda tenham uma visão nebulosa da atividade.

Vamos primeiro entender o que é marketing de relacionamento e, depois, mencionar algumas características para que você nunca mais confunda-o com algo criminoso.

Marketing de relacionamento (ou marketing de rede ou marketing multinível ou network marketing) nada mais é senão uma forma de comissionamento dentro do canal de distribuição das vendas diretas.

Na venda direta mononível, pessoas se associam a uma determinada empresa podendo comprar os produtos da empresa a preço de atacado e revende-los a preço de varejo, lucrando sobre cada venda que fizer.

Já na venda direta multinível, além da compra e venda mencionada acima, os distribuidores independentes podem formar suas próprias equipes de vendas e também ser comissionados de maneira alavancada, com base no faturamento que suas equipes gerarem.

Formar equipes de vendas não é “colocar pessoas”. É prospectar interessados em ter uma atividade, normalmente, paralela, para que possam auferir lucros extras com a divulgação e venda de produtos ou serviços a consumidores finais.

Formar e treinar equipes de vendas de sucesso não é uma tarefa simples, aliás, exige muita dedicação e conhecimento. Você precisa desenvolver habilidades de liderança, vendas, gestão de pessoas, planejamento estratégico, motivação, oratória, dentre outras.

Pessoas comuns, com vontades, sonhos, desejos, problemas e desafios de uma pessoa normal, com uma boa dose de atitude e determinação, têm a chance de construir tanto uma renda extra, quanto um grande empreendimento, sem os riscos de um negócio tradicional e com benefícios ainda maiores que um negócio tradicional pode proporcionar, além, claro, de desenvolver habilidades que muitas vezes não desenvolverão em um emprego ou em uma atividade autônoma. No meu modo de ver, o resultado mais importante é a pessoa que você vai se tornar durante o processo.

Sendo assim, o marketing de relacionamento torna-se algo muito atrativo por seu aspecto simplista, universal, igualitário, meritocrático, educativo e, sobretudo, pelo potencial de lucro caso a pessoa realmente deseje se profissionalizar.

Mas como diferenciar uma legítima oportunidade de marketing de relacionamento de um esquema fraudulento e criminoso de pirâmide financeira?

São diversos os aspectos que poderia mencionar aqui, entretanto ater-me-ei a alguns pontos críticos para que você aprenda e saiba avaliar as oportunidades que surgem diariamente no mercado.

1. HISTÓRIA E PESSOAS
Primeiro você deve verificar o histórico da empresa que conheceu e as pessoas que gerem e lideram este negócio. Procure descobrir se a empresa possui mais de 5 anos de atividade e se o corpo de gestão é composto por pessoas experientes, com vasto currículo e com credibilidade no mercado.

Uma empresa com mais de 5 anos de vida, acredite, já foi denunciada, investigada, auditorada e se ainda está em funcionamento, significa se tratar de uma oportunidade real. Também verifique se os produtos estão registrados e a própria empresa está legalizada, autorizada e devidamente inscrita nos órgãos competentes.

Uma fonte confiável de pesquisa é a ABEVD (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas). Veja se a empresa é associada, ou não.

Pessoas capacitadas na gestão também é importante, pois toda empresa de vendas diretas passa por altos e baixos. Portanto é importante ter um material humano experiente, que saiba conduzir o negócio nestes momentos, sem prejudicar a força de vendas.

2. PRODUTOS OU SERVIÇOS
Simplesmente ter um produto ou um serviço a ser oferecido não é um ponto determinante para diferenciação.
Temos visto diversos casos de esquemas de pirâmide que lançam um produto qualquer, sem real penetração no mercado consumidor, única e exclusivamente para maquiar a fraude.

Portanto, não basta ter um produto. Este(s) produto(s) devem ser “comercializáveis”, ou seja, deve existir uma real demanda na sociedade para o(s) produto(s). Pergunte-se: se este produto fosse vendido no varejo, pessoas comprariam?

A qualidade do produto para que haja satisfação do consumidor é fundamental. Via de regra, a empresa deve oferecer um produto com alto valor percebido para que tenha chance de ser absorvido e escolhido pela massa de consumo. Concorrer com o varejo oferecendo produtos com igual ou pior qualidade é um grande risco no médio prazo.

O preço também deve ser competitivo com os outros canais de distribuição, sob pena de não se tornar atrativo para quem os representa, desmotivando a força de vendas.

Acredito que neste segmento as empresas devam possuir em seu portfólio, produtos com alto giro, de rápida e fácil utilização e consumo, gerando vendas contínuas e num curto espaço de tempo.

Por fim, os produtos não podem ser meros “acessórios”, mas o foco principal da empresa. Se existem bons produtos, altamente consumíveis, alinhados com um justo e atrativo modelo comercial, consumidores e distribuidores estarão satisfeitos e a empresa tende a se perpetuar.

3. MODELO COMERCIAL
Equilíbrio entre vendas e formação de equipes, este deve ser o lema. O modelo comercial deve ser atrativo para quem quer revender os produtos e para quem quer, além de revender, formar suas equipes.

Os produtos devem possuir uma boa margem para revenda, ou seja, um bom desconto para que os distribuidores os adquiram para revendê-los, e o plano de marketing da empresa também deve se preocupar em remunerar quem, por méritos, construir equipes de vendas produtivas.

Absolutamente 100% do comissionamento deve estar atrelado à venda dos produtos ou serviços. Fuja de empresas que prometem ganhos fixos, por alguma atividade que não gere faturamento imediato para elas.

Os distribuidores devem ser comissionados se, e somente se, ele vendeu produtos para um consumidor final, ou se algum membro de sua equipe comprou produtos da fábrica para revenda, consumo, divulgação, etc.

Não deve existir bônus por mero cadastro de um novo representante em sua equipe de vendas, mas sim sobre a compra de produtos por este representante. Outrossim, a compra de produtos por um novo distribuidor não deve ser obrigatória, mas uma opção.

Repetindo: deve haver venda de um produto ou serviço. Se o foco é exclusivamente recrutamento e se o produto só é importante se você fizer parte do negócio, abra os olhos! Deve haver mais compras por consumidores finais, ou seja, pessoas “fora” das equipes que não desenvolvem o negócio, do que por pessoas que os distribuem.

Os produtos, portanto, devem chamar a atenção tanto de consumidores quanto de pessoas que desejem empreender.

O discurso é sempre de potencial, perspectiva, indicativos e não de garantia de comissionamento. Vendeu e formou uma equipe de vendas produtivas, você vai ganhar. E meritocrático: vendeu mais ou formou uma equipe mais produtiva, ganha mais.

Verifique, também, se a empresa investe em treinamento dos distribuidores. Não é interessante ter uma força de vendas sem capacitação, que não seja orientada a divulgar corretamente os produtos ou o negócio, de acordo com as normas legais e institucionais.

Penso que estes pontos já esclarecerão muitas dúvidas. Espero ter ajudado!

Se você ainda desconfia de alguma proposta que lhe foi feita para se tornar um distribuidor de uma determinada empresa, vá atrás de conhecimento, de fontes confiáveis que possam clarear ainda mais sua visão e para que você tome a melhor decisão. Não se deixe levar por promessas vãs e não tome decisões precipitadas.

No entanto, se o que conheceu está de acordo com os pontos aqui mencionados, fique tranquilo! Pode abraçar a oportunidade porque, tenho absoluta convicção, que o resultado será positivo, tanto no aspecto pessoal, quanto profissional!

Não deixe que o medo lhe roube oportunidades! O marketing de relacionamento, especialmente no Brasil, ainda é uma atividade de vanguarda, e que por isso ainda gera desconfiança, mas é uma tendência. Empresas tradicionais do varejo estão migrando para este canal de distribuição.

Claro, muitas coisas têm de ser melhoradas! Os distribuidores possuem um importante papel de educar a população com relação a este modelo de negócios e de agir com ética, respeito, profissionalismo e menos ostentação.

Acredito que seja a melhor oportunidade para que pessoas comuns, tenham resultados incomuns e façam a diferença na sua própria vida e na vida de pessoas que querem vencer!

Hoje você pode ser chamado de louco… mas daqui alguns anos, te chamarão de visionário!

Sucesso e bons negócios!

Kadú Pimentel

É Diamante da Jeunesse Global e Advogado, formado pela Universidade Estadual de Londrina-PR, especialista em Direito Tributário e Direito Empresarial, é também Conselheiro da Abranetwork.

Mesmo tendo sucesso na advocacia e na consultoria, conheceu as vendas diretas em 2009 e apaixonou-se pela atividade. Atualmente, lidera uma grande equipe de distribuidores, presente em mais de 15 estados brasileiros e outros 10 países, espalhados pela Europa, América do Norte, Ásia e Oceania.

Conhecido por sua ética, profissionalismo e treinamentos avançados, acredita que o sucesso é consequência da entrega, da dedicação, da resiliência, da busca constante pela excelência, tudo com base em valores e princípios de integridade, cooperativismo, honestidade e humanidade.

Fonte: Revista Sucesso NetWork Marketing

Leia Também…

MANUELDOLIVEIRAFILHO