• +(011)992413934
  • contato@missaoempreendedora.net.br

nova economia

7 TIPOS DE NEGÓCIOS QUE VOCÊ PODE ABRIR COM POUCO DINHEIRO

Você está sonhando em abrir seu próprio negócio, mas não tem muito dinheiro para investir. Fique tranquilo: você não é o único! Por mais que existam maneiras de conseguir o valor necessário (empréstimos, por exemplo), é possível optar por aportes pequenos.

Tenha em mente que todo tipo de negócio envolverá alguns gastos. Por exemplo: você terá de criar um domínio e um site, desenvolver uma estratégia de marketing e comprar equipamentos. Vale, portanto, fazer um plano de negócio antes de começar. Na hora de escolher o produto ou serviço que vai oferecer, leve os custos de produção e manutenção em conta.

1. Criações próprias
Nada melhor do que ganhar dinheiro fazendo aquilo que você já sabe. Por exemplo, se você é um pintor, pode vender suas obras de arte gastando nada mais do que os instrumentos que vai usar. Plataformas online gratuitas podem ajudá-lo com as vendas.

2. Serviços em casa
Esse tipo de serviço é rentável e não exige muitos gastos. Se você trabalha em casa – ou na vizinhança –, poupa tempo e economiza dinheiro. Como exemplo, pode-se citar o trabalho de babá ou passeador de cães.

3. Trabalhos de conserto
Assim como os serviços em casa, esse tipo de negócio não exige um ambiente de trabalho estabelecido e nenhum investimento exceto o das ferramentas. Se você possui algumas habilidades na área, pode trabalhar em conserto domésticos. Também pode fazer reparos em roupas.

4. Consultoria
Muitas pessoas só pensam em se tornar empreendedores depois de terem passado por muitos anos de experiência profissional. Com essa bagagem, podem abrir uma consultoria. A atividade exige pouco investimento inicial e, se o empreendedor aproveitar seus contatos profissionais, pode ser bastante rentável.

5. Revenda
O sistema é simples: você adquire produtos e os vende para outras pessoas. Você pode ser um representante de vendas, distribuidor ou atacadista. No último caso, será preciso fazer um investimento inicial maior, para formação de estoque.

6. Microempreendedorismo
Por último, você pode criar um mininegócio. Pode trabalhar em apps de serviço como Uber, alugar sua casa em plataformas como o AirBnB… As opções são muitas e, na maioria dos casos, o investimento inicial é baixíssimo.

7.  Marketing de Rede

Marketing de Rede trata-se de uma estratégia empresarial de distribuição de bens ou serviços, onde a divulgação dos produtos se dá pela indicação “boca a boca” feita pelos distribuidores independentes. O negócio é de baixíssimo investimento, alto retorno e sem risco, pois sua única adesão é um kit de produtos que poderá consumir ou revendê-lo. Atualmente o Marketing de rede é a melhor opção em época de crise para iniciar seu próprio negócio. Para saber mais sobre Marketing de rede acesse AQUI

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

 

MANUELDOLIVEIRAFILHO

IMEDIATISMO

O Imediatismo mata seus sonhos

Paciência é algo raro hoje em dia. A maior parte das pessoas só está interessada no agora, no tempo presente. Não sabem esperar.

Esse padrão de comportamento é chamado de cultura do imediatismo, na qual as pessoas são escravas do presente imediato.

Na cultura do imediatismo, ao mesmo tempo em que queremos tudo para o presente, esquecemos que ele existe. As ações e os pensamentos são regidos pela ansiedade.

Só queremos agora o que não temos. E quando temos, já não basta. Vivemos em um eterno descontentamento.

A cultura do imediatismo nos faz esquecer o presente, apaga o passado e bloqueia o futuro. O tempo deixou de ser linear.

Agora ele pode ser considerado um “instante prolongado”, como argumenta o professor de estudos de mídia na The New School University de Manhattan, Douglas Rushkoff.

Rushkoff atribui a cultura do imediatismo às mídias digitais, que teriam abolido a ideia de amanhã.

Para ele, é preciso saber lidar com o chamado presentismo. Mas, pouca gente sabe como lidar e as pessoas acabam ficando desorientadas, sem conseguir se envolver e viver cada instante.

Aliados à rapidez e prontidão que as mídias digitais proporcionam, os excessos estão diretamente relacionados à cultura do imediatismo.

Há excessos de informações, de mídias, de demandas de opções de lazer virtual, dentre outros.

Na internet, por exemplo, ao mesmo tempo em que lemos uma notícia, trabalhamos e recebemos mensagens em forma de e-mail ou nas redes sociais.

E ninguém consegue esperar por nada. Quem enviou a mensagem quer uma resposta imediata e quem recebeu quer fazer tudo ao mesmo tempo: responder, ler notícias e continuar trabalhando.

Sentimos dificuldade em sair disso porque a cultura do imediatismo nos envolve de tal maneira que não somos capazes de nos mover. A todo momento, surgem coisas novas e nos sentimos obrigados a dar conta de tudo.

Não sabemos planejar nem priorizar – e o caos se instala nas nossas vidas. Atribuímos o vilão dessa perturbação a própria evolução tecnológica tão presente em nosso dia a dia.

Em muitos casos o imediatismo causa problemas psicológicos para o indivíduo onde afeta diretamente sua percepção do futuro. Tudo tem seu tempo e se deixarmos o imediatismo nos dominar certamente teremos problemas em conseguir construir algo de importante em nossas vidas, tanto no sentido pessoal como profissional.  Temos que aprender sermos pacientes mesmo vivendo num mundo em alta velocidade.

A cultura do imediatismo pode atrapalhar até em construirmos nossos sonhos que são tão importantes para nossa vida, por exemplo, iniciar uma faculdade, iniciar um negócio próprio, enfim, tudo que exija paciência e resiliência teremos grandes dificuldades em nos manter focados em nossos projetos se formos ansiosos e imediatistas.  A grande sabedoria dos vencedores é ser paciente e trabalhar focado nos objetivos. Isso exige treino e autocontrole.

Leia também….

 

MANUELDOLIVEIRAFILHO

6 RAZÕES QUE TE FAZEM ESTAR SEMPRE SEM DINHEIRO

A principal queixa de quem tem o sonho de empreender, mas não consegue é a falta de dinheiro. Que, por maior que seja o esforço, o salário não é o suficiente para custear as despesas mensais e ainda poupar para abrir o próprio negócio. No entanto, seus bolsos vazios podem não ser fruto do azar. A culpa pode ser sua.

A opinião é do empreendedor e especialista em finanças americano Grant Cardone. Ele afirma que, em muitos casos, a falta de conhecimento, um pouco de preguiça e crenças equivocadas podem fazer com que você não consiga ter dinheiro. Em artigo, publicado originalmente no site da revista “Entrepreneur”, Cardone listou quais os fatores que podem estar corroendo as suas chances de sucesso financeiro.

Saiba quais:

1. Analfabetismo financeiro:
Cardone afirma que a esmagadora maioria das pessoas, e até dos empreendedores, não sabe nada sobre finanças. E ele nem está falando de fundamentos avançados que são ensinados apenas nas faculdades de ciências econômicas espalhadas pelo mundo. No caso, as pessoas não costumam nem ter planilhas de despesas, recurso simples para ver que gastos podem ser cortados.

Falta também conhecimento para investir as economias em fundos que rendam mais que a poupança e nem são tão arriscados assim. É importante não gastar em coisas desnecessárias e fazer o possível para o seu dinheiro render.

2. A casa da mamãe:
Jovens que ficam na casa dos pais normalmente o fazem para não arcar com custos extras de quem mora sozinho. No entanto, segundo Cardone, sair de casa vai fazer você ter mais dinheiro. Isso acontece porque se obriga a trabalhar mais para pagar o aluguel, o supermercado e as contas. Ao sair da zona de conforto para viver sozinho, fica mais fácil se esforçar para buscar a renda extra que pode, por exemplo, ser usada para abrir o seu negócio.

3. A crença no governo:
Para Cardone, ninguém deve esperar que o governo melhore sua vida, porque o mais provável é que nada acontecerá. Ele diz que você não deve esperar que a situação melhore. O que deve ser feito, segundo ele, é trabalhar para não depender de nenhuma benesse governamental.

4. Não botar a mão na massa:
Dica especial para quem já empreende: você não vai ter sucesso se quiser só coordenar o trabalho de sua equipe. É preciso estar disposto a fazer todos os trabalhos da empresa, ainda mais se você não tiver muita gente trabalhando com você.

Você tem que administrar o negócio, mas também saber vender, gerir pessoas e até fazer o cafezinho, se necessário. Assim, fica mais fácil ajudar sua equipe em momentos de emergência, como quando alguém falta, e ainda inspirar quem trabalha contigo.

5. Comparar-se a quem está pior:
Muita gente tenta se consolar dizendo que “não está tão mal assim”, porque há pessoas que nem emprego têm. De fato, você não está tão mal assim. Mas se você quiser crescer, o importante é se espelhar em quem está melhor com você. O conformismo impede a saída da zona de conforto, de acordo com Cardone.

6. Trabalhar oito horas por dia
Cardone afirma que oportunidades de sucesso não aparecem apenas das 9h às 18h, de segunda a sexta-feira. Por isso, você não deve trabalhar somente oito horas por dia. Esteja disposto a buscar uma renda extra, ou a resolver os problemas de seus clientes, sempre que possível.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

Conheça uma forma de trabalho que está posicionando muitas pessoas no mercado de trabalho como empreendedores independentes. CLIQUE AQUI  e saiba mais.

 

MANUELDOLIVEIRAFILHO

THE MONEY IS FAKE

A frase “The Money is fake” (O dinheiro é falso) dito por um dos maiores empresários e investidores do mundo e autor da obra prima “Pai Rico e Pai Pobre” Um dos livros mais vendidos do mundo, Robert Kiyosaki, em um congresso em São Paulo nos dias 23 e 24 de Setembro ele palestrou para mais de 5000 pessoas passando a atual situação econômica Mundial. As previsões segundo ele não são animadoras para o mundo, pois o que vemos é um ciclo vicioso dos países emitir moedas no mercado sem um controle das Políticas monetárias. Isso acontece quando a moeda perde seu valor de compra e consequentemente gera inflação e o empobrecimento das pessoas.

O maior problema foi quando o Presidente Americano em 1971 Richard Nixon desvinculou o dólar Americano do Lastre de Ouro. Isso gerou um “descontrole” monetário pelo mundo onde todos os países também fizeram parte da corrida de emissão de suas moedas no mercado. Segundo Robert Kiyosaki teremos um colapso Global devido a essa forma como o mercado cambial está se comportando. Ou seja, o dólar pode perder seu valor de um dia para noite afetando todas as outras moedas mundiais. E quando isso acontecer poderemos ter uma crise igual dimensão ou pior vivida na “Depressão em 1929″. Os maiores afetados serão os países pobres e as classe sociais mais pobres do mundo. Por isso o nome: ” The Money is fake” – (O dinheiro é falso).  O que chama atenção desse cenário é que a maioria das pessoas economicamente ativas não estão preparadas para essa realidade. Muitos especialistas já dizem que trabalhar para terceiros é mais arriscado do que ter seu próprio negócio.

Esse quadrante acima feito por Robert Kiyosaki mostra onde as pessoas estão no mercado. Você provávelmente deve estar em algum quadrante, já sabe onde está ? Pois é, você notou a diferença? A boa notícia que você pode estar no quadrante “D” ou “I” Mas nem todos estarão preparados para isso por causa do “Mindset” (Mentalidade), ou seja, a educação financeira. Por que você acha que nas escolas ou Universidades não é ensinado sobre educação financeira? Muito simples a resposta, porque somos criados pelo “sistema” a trabalhar para alguém e dar dinheiro para o banco. Agora eu pergunto, por que as pessoas não criam sua própria economia? Se você criar sua própria economia poderá migrar para o quadrante “D” ou “I”. Para os empresários e grandes investidores a melhor forma de proteger seus ativos é investir em metais preciosos como o ouro e a prata, pois esse metais não perdem valor tanto como o papel moeda. “Os Ricos não trabalham por dinheiro, é o dinheiro que trabalha para eles”

  (Robert Kiyosaki).

Meu nome é Manuel D Oliveira Filho, trabalho com Marketing de Rede e se quiser ter seu próprio negócio, sem chefes, com liberdade de horário, liberdade Geográfica e mais tempo para você e sua família e conquistar Independência Financeira com Qualidade de Vida. Entre em contato e SAIBA MAIS.

 

MANUELDOLIVEIRAFILHO

DINHEIRO TRAZ FELICIDADE, SIM, APONTA PESQUISA

Dinheiro traz felicidade sim. A máxima contrária (de que não traz) está equivocada, segundo pesquisa da Sondagem do Bem-Estar apurados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e obtidos com exclusividade pelo Estadão/Broadcast. Quanto mais alta a renda do brasileiro, maior a pontuação no ranking de satisfação.

Os entrevistados que recebiam até R$ 1,2 mil por mês – a faixa de renda mais baixa da pesquisa – tiveram a menor média de felicidade, 7,58 pontos. Na faixa de renda mais alta, com pessoas que recebiam R$ 10 mil ou mais mensais, o nível de satisfação subiu para 8,22 pontos.

“Quando você pensa em satisfação com a vida, você leva em conta vários aspectos, subjetivos e objetivos. A questão da renda é muito importante, é bastante tocada nas pesquisas de bem-estar no mundo inteiro. Quanto maior a renda, a média de felicidade é mais alta”, confirmou Viviane Seda, coordenadora da sondagem no Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Na pesquisa da FGV, a média de felicidade foi crescendo conforme a média de renda se ampliava: de R$ 1.200 a R$ 2.600 mensais, 7,77 pontos; de R$ 2.600 a R$ 5.250, 7,94 pontos; e de R$ 5.250 a R$ 10.000, 8,09 pontos.

Exemplos de vida

O vendedor ambulante Jorge Luís, de 61 anos, tem saudade da época em que ganhava dinheiro de forma considerável – três salários mínimos mensais – como auxiliar de serviços gerais, numa empresa prestadora de serviços para a Petrobrás. A perda do emprego e, consequentemente, da carteira assinada levou dele também direitos trabalhistas, benefícios e boa parte da renda familiar.

Hoje, vendendo picolés nas ruas do centro do Rio de Janeiro, ele ganha o suficiente para suas necessidades primárias, mas precisa da ajuda de parentes para o sustento da casa onde vive em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

“Naquela época nós éramos felizes e não sabíamos. Eu era mil vezes mais feliz do que hoje. Eu só consigo tirar meu sustento porque, graças a Deus, não pago aluguel e minha família me ajuda, todo mundo trabalha”, contou Luís.

Diego Nicheli Chagas viu sua satisfação pessoal aumentar conforme ascendia profissionalmente e em termos de dinheiro. Em menos de oito anos, o jovem passou de trainee a coordenador na área financeira do Grupo Estácio. Há apenas seis meses veio a última promoção, virou gerente de Operações Financeiras no conglomerado de educação.

“O salário foi ficando mais elevado, a vida começou a mudar. Eu, que era noivo, consegui me casar. Hoje minha mulher e eu temos a nossa casa. Depois de sete anos, além de ter me estabilizado financeiramente, estou estabilizado profissionalmente, estou muito mais feliz”, disse ele.

Conquistas

Com a evolução da renda de Diego Nicheli Chagas, surgiram novas oportunidades, descobertas, experiências para toda a família. “Venho de uma família um pouco mais humilde. Tive uma ascensão profissional rápida e consegui conquistar muitas coisas que não imaginava. Com certeza estamos mais satisfeitos agora. Com um salário maior você tem acesso a coisas novas, restaurantes melhores, viagens internacionais. Conseguimos proporcionar até para as nossas famílias algumas dessas viagens”, disse Diego.

Se por um lado a evolução da renda afeta positivamente a felicidade, o desemprego e a desigualdade impactam negativamente, mostrou a pesquisa da FGV.

“O Brasil é um País em desenvolvimento, tem muito a evoluir, tem que focar principalmente na redução da desigualdade. Não adianta aumentar a renda para uma faixa apenas. A renda tem que ser mais bem distribuída”, afirmou Viviane Seda.

Homens e paulistas mais felizes

Homens são mais felizes que as mulheres. Paulistas estão mais satisfeitos do que os cariocas. A diferença pode ser também explicada pela renda. Os homens tiveram 7,98 pontos no ranking de felicidade, ante 7,90 pontos das mulheres, numa escala de 0 a 10. Em São Paulo, o nível de satisfação alcançou 7,96 pontos. No Rio, o resultado foi de 7,91 pontos.

“Provavelmente essa média maior de felicidade em São Paulo do que no Rio tem a ver com a renda mesmo”, contou a coordenadora da pesquisa.

Apesar das diferenças, na média geral, os países da América Latina têm pontuação alta em relação a outros lugares do mundo, lembrou Viviane Seda: “Isso acontece por conta da questão do convívio social maior, mais interação entre as pessoas, isso ajuda na sensação de bem-estar”.

A Sondagem do Bem-Estar ouviu 2.594 moradores das cidades do Rio e São Paulo. A primeira fase de coleta ocorreu entre os dias 1.º de junho e 4 de agosto de 2016, enquanto a segunda etapa foi a campo de 5 de setembro a 31 de outubro do mesmo ano.

Fonte: https://acrediteounao.com/

Quer trabalhar por conta própria, sem chefe, de forma ética,CONHEÇA nossa proposta de trabalho.

MANUELDOLIVEIRAFILHO

SEU SUPERMERCADO EM CASA

A era das compras nos mercados tradicionais está mudando.

Está sendo substituída por um novo estilo de consumir.

Sai o consumo tradicional e chega pra ficar o consumidor inteligente, consciente, experiente e responsável.

Quantas vezes você já parou e se perguntou:

– Se eu gasto tanto dinheiro comprando produtos de uma só marca e às vezes num só lugar, por que este fabricante ou essa empresa não me torna sócio? Ou não me dá descontos? Ou benefícios?

– Por que não lucro, recebendo vantagens em presentes, brindes, viagens, bônus ou me paga, se eu sou um dos maiores fãs ou clientes desse produto?
– Queria ser gratificado a cada vez que eu falar bem, indicar e até vender indiretamente um produto a um amigo, aumentando o número de clientes para esta loja. Já pensou. Claro que sim !

É natural quando gostamos de um produto ou marca, comprar bastante nela e até levar mais clientes até ela.

Assim como é muito prazeroso receber desta empresa benefícios por esta ampliação nas vendas e no mercado dela.

O consumo inteligente é isso, nada mais nada menos que consumir produtos de necessidades básicas do dia a dia, se fidelizar numa só marca ou empresa, substituindo por outros outras que nos ofereça vantagens.

A maior vantagem em se associar a empresas que te beneficiam pelo consumo inteligente é que você pode consumir com descontos, revender com altas margens de lucro, receber comissões por indicações de produtos aos amigos e ainda construir uma carreira de consumidor inteligente com renda adicional em suas horas vagas.

Quer saber mais

Meu nome é Manuel

Junte-se ao time!

MANUELDOLIVEIRAFILHO

MARKETING MULTINÍVEL É UM BOM NEGÓCIO ?

Quase 13 milhões de pessoas estão desempregadas no Brasil, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sem expectativas de conseguir carteira assinada, muitos trabalhadores apostam em nichos de mercado como alternativa de renda.

Um deles é o marketing multinível, modelo de venda direta que trabalha com a criação de uma rede. No ano passado, ele registrou R$ 40,4 bilhões em negócios, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD).

Esse tipo de venda consiste em oferecer produtos ou serviços diretamente ao consumidor, presencialmente ou pela internet. Entre suas vantagens, está o menor número de intermediários entre quem produz e quem consome, com base nos relacionamentos pessoais.

“Funciona como uma rede. Família, amigos e conhecidos tornam-se clientes, tanto para comprar quanto para convidar outras pessoas. Nesse caso, a rede ganha uma comissão em cada venda feita pelos ‘distribuidores independentes’ que consegue recrutar”, explica a analista do Sebrae Minas Andreza Capelo.

Outro ponto positivo desse tipo de negócio é o investimento mínimo na compra de produtos, o que facilita o início das operações. O “distribuidor independente” não precisa investir em infraestrutura, não assume o pagamento de salários dos empregados que participam das tarefas administrativas da empresa e nem arrisca seu capital montando um grande negócio.

Não confunda
Antes de aceitar o convite de uma empresa, pesquise se o negócio é marketing multinível ou um modelo de pirâmide (que é ilegal no Brasil).

Algumas diferenças importantes
O foco da pirâmide é o recrutamento de novos participantes. O marketing multinível visa vender produtos.

Na pirâmide, há casos em que os produtos ou serviços sequer existem ou têm valor muito acima dos similares presentes no mercado.

Em suas reuniões, o treinamento não é voltado para a venda, e sim para o recrutamento.
Além do resultado das vendas, o faturamento individual se baseia no número de pessoas recrutadas para a rede.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Conheça nossa Empresa, uma Gigante do Varejo brasileiro que atua no Modelo Multinível.

MANUELDOLIVEIRAFILHO

TRANSFORMANDO VIDAS

TRANSFORMANDO VIDAS

Transformando vidas foi o grande Evento da Polishop na Cidade do Rio De Janeiro com a presença de mais de 15.000 pessoas praticamente lotando o Rio Centro.

O que significa “Transformando Vidas”, significa um modelo de negócio inovador que promove crescimento pessoal, social e financeiro para os empreendedores da Polishop. Esse encontro a nível nacional reúne milhares de pessoas  com o único objetivo, realizar seus sonhos. 

Sonhos é uma palavra abstrata, depende de cada pessoa, para uns pode ser ganhar mais dinheiro, para outros satisfazer alguma necessidade que o dinheiro traga para a sua vida, não importa. O que importa é sonhar grande ! Ter objetivos ! Ter Metas com sua vida e sua família. A pergunta é…. Qual casa gostaria de morar, qual carro gostaria de ter? Qual saldo da sua conta bancária que desejaria de possuir?

Enfim, são questões pessoais que movem pessoas em todo mundo a achar a oportunidade para conquistar tudo isso. Mas tem algo que o dinheiro não compra, a tão sonhada Liberdade Financeira Com Qualidade De Vida. 

Muitas vezes as pessoas esperam por toda vida que as coisas melhorem para elas esperando um milagre e nunca jamais perceberam que para suas vidas mudem elas precisam mudar a forma de pensar ! Como mudar se a maioria faz as mesmas coisas e esperam por resultados diferentes? 

Se questione… Você sabia que seus resultados atuais são decisões que você tomou nos últimos 5 anos ! Isso mesmo e se continuar fazendo as mesmas coisas que faz hoje certamente terá os mesmo resultados daqui a 5 anos. 

Gostaria de mudar sua realidade agora? Saiba que você pode, nos contate deixando seu Nome, Telefone / WhatsApp e E-mail. Eu entrarei em contato com você para conhecer seus anseios e seus sonhos.

Clique AQUI 

Forte abraço.

Manuel D Oliveira Filho – ID: MANUELDOLIVEIRAFILHO

MANUELDOLIVEIRAFILHO

O CÉREBRO REPTILIANO

Você ainda permite que o seu cérebro reptiliano sufoque seus sonhos, seu futuro e sua grande chance de mudar de vida? Tome uma atitude, a atitude muda tudo.

 

Todos os seres humanos possuem aquilo que os antropólogos, sociólogos e estudiosos da psicologia cognitiva chamam de cérebro reptiliano, localizado no topo da espinha dorsal. Este pequeno órgão é considerado o responsável pela nossa sobrevivência há milhares de anos.
O cérebro reptiliano não é um mero conceito. Ele é fato, está sempre com fome, sede, medo, raiva e tenso. Sua preocupação principal é a segurança, pois aprendeu há muito tempo que é bem mais fácil entrar na zona de conforto do que lutar por um lugar ao sol.
O aumento da complexidade humana e, por consequência, o aumento da competitividade no mundo em que vivemos favoreceram a identificação do cérebro reptiliano. É possível distinguir claramente quando utilizamos o resultado do nosso processo evolutivo (razão) e quando utilizamos o resultado do processo irracional (emoção), fruto da herança reptiliana.
Apesar de termos evoluído bastante em termos de cooperação, o cérebro reptiliano define as regras da sobrevivência. É um ser enigmático, irracional, de dimensões primitivas, predominante no comportamento humano.
Nas palavras de Seth Godin, autor e guru norte-americano, o cérebro reptiliano vai lutar até a morte se necessário, mas ele prefere fugir. Em geral, é vingativo e não vê nenhum problema em ficar com raiva. Importa-se com o que todo mundo pensa e manter o status na tribo é essencial para a sobrevivência.
Diferente dos seres humanos, os animais ainda possuem o seu cérebro cem por cento reptiliano. Eles fazem o que fazem porque é a única coisa que sabem fazer, usar o instinto. Você nunca vai encontrar o leão argumentando com a presa: – hum, será que devo comê-lo ou não?
O cérebro reptiliano é o órgão responsável pelo seu medo, pela sua resistência, pelo recuo na maioria das vezes. É a razão pela qual você não expressa integralmente todo o seu potencial. É a única fonte de bloqueio da sua genialidade ou da sua vontade de realizar as coisas.
Quantas ideias boas você já teve na vida? Centenas delas, ou será que você só tem ideia ruim? Dentro de cada ser humano – isso não é privilégio de um nem de outro – existem duas partes distintas: o sim e o não, o otimista e o pessimista, o gênio e o resistente.
Daemon é uma palavra grega que os gregos acreditavam se tratar de um ser separado que habita em cada um de nós. Os romanos se referiam ao daemon como gênio, ou seja, aquele que vive dentro do ser humano para produzir arte em qualquer área com a qual ele se identifique.
Antes da Revolução Industrial e dos empregos formais, éramos todos gênios ou daemon. Dentro de nós havia um artista genial, um pintor, um escultor, um artesão de mão cheia, um músico capaz de extrair som dos instrumentos mais primitivos.
Com a Revolução Industrial e a promessa dos empregos seguros, estáveis e tranquilos, a maioria foi confinada em espaços milimetricamente planejados para abafar o gênio e estimular a resistência.
A resistência existe há um milhão de anos. O daemon (gênio) também, entretanto, a resistência é mais forte na maioria das pessoas. Ela tem medo do que pode acontecer se você se tornar diferente. Ela não está acostumada ao sucesso, portanto, ela assume o controle e tenta se proteger.
Imagine se a resistência vai deixa-lo abandonar o emprego que você conquistou com tanto esforço, afinal, ali você está garantido pelo resto da vida ainda que não seja feliz. De fato, o cérebro reptiliano existe para mantê-lo vivo. A resistência provoca angústia, ou seja, conflito entre suas ideias geniais e o mundo lá fora.
A resistência quer que você se aposente primeiro, pois falta apenas vinte anos e o que são vinte anos? Você não vai trocar o emprego fixo por essa ideia maluca de abrir o próprio negócio, vai?
Em todos os momentos, a resistência está sempre tentando inibir as ideias brilhantes que o daemon produz. Lembre-se das ideias fantásticas que você já teve, mas foram abafadas pela sua resistência. E o que é pior: as ideias que você abandonou renasceram na cabeça de alguém que soube neutralizar a resistência e aproveitá-las melhor.
O exemplo mais vivo que tenho em mente é o de Eloy D´Avila, fundador da Flytour, a maior empresa de pacotes de viagem do Brasil. A empresa fatura hoje mais de R$ 4 bilhões por ano. A resistência o perseguiu por vários anos e, apesar de tudo, o daemon se saiu vencedor.
Depois de apanhar em casa, perder todos os dentes da frente com um soco, passar fome, perambular pelo sul e sudeste de carona em carona, dormir em pontos de ônibus, bancos de praça e areias da praia, vender pastéis, ser mordido por cachorros raivosos, contrair sífilis e passar por todo tipo de privação, ainda conseguiu se salvar e criar uma empresa de nome internacional.
Se você acha que tem problemas, leia a história dele na Internet. Você pode digitar a frase “Passei muita fome, conta o dono da bilionária Flytour” no Google e ler a história completa. Leia do começo ao fim e tire suas próprias conclusões. É de tirar o fôlego.
A resistência adora normas, políticas e procedimentos. Ela vai sempre à escola e vive repetindo que você precisa de um diploma para ser feliz. Então, você se submete. Ela não quer que você pense. Ela quer que você aceite de bom grado a vida como ela é. Ter chegado até aqui já não é suficiente? – diz a resistência.
Assim como é na vida pessoal é na profissional. Você trabalha o tempo todo com pessoas que vivem à mercê da resistência e adoram seguir as regras, afinal, em time que está ganhando não se mexe. A resistência vive esbravejando ao seu ouvido: – cuidado, você pode fracassar.
Portanto, cada vez que você ouvir a voz da sua resistência lembre-se: na maioria das vezes você vai fracassar, mas se fizer um levantamento rápido de todas as pessoas que já fracassaram, incluindo amigos seus, vai ver que todas estão vivas e a maioria venceu o cérebro reptiliano.
Como diz o próprio Godin, você se torna um vencedor quando se torna bom em fracassar. Ao tentar de novo por muitas e muitas vezes você vai fortalecer o daemon e dar um claro sinal de demonstração que a resistência não tem a mínima chance contra você.
Fonte: Portal do Administrador.
Pense nisso e empreenda mais e melhor!

SAIBA MAIS….
MANUELDOLIVEIRAFILHO

A EXPANSÃO DO MARKETING MULTINÍVEL NO BRASIL

Muito se ouve sobre o mercado de empresas que distribuem seus produtos por meio do marketing multinível, através de diversas denominações: Marketing de Rede, Marketing Multinível ou Marketing de Relacionamento.

O primeiro indício de uma empresa datam no ano de 1903 por Watkins Brothers com a distribuição dos produtos da sua empresa. Ele permitiu que os distribuidores comprassem diretamente da empresa e vendessem pro consumidor final. Com essa eliminação de etapas do processo que envolvem o atacado e varejo, é possível reduzir custos e fazer o produto chegar mais barato nas mãos do consumidor.

Mas o que é esse tal marketing de multinível??

O marketing de multinível esta atrelado a indústria de vendas diretas. O multinível permite pagar comissões em vários níveis de distribuição, diferente do mononível em que o distribuidor apenas recebe no valor da revenda dos produtos. O mercado de vendas diretas permite que os produtos cheguem ao consumidor final sem os atravessadores (centros de distribuição e atacados) direto para o consumidor final poupando toda a oneração causada por estes. Empresas tradicionais, que não atuam nessa modalidade, têm o processo baseado em:
produção de bens ou serviços > distribuição por meio de representantes ou centros de distribuição > venda aos atacados > revenda aos varejistas > consumidor final.

Legislação

Em alguns países o negócio já esta mais desenvolvido e com a legislação aprovada há alguns anos. Nos EUA por exemplo, foi regulamentado em 1979 pela Comissão Federal de Comércio.

Atualmente quem regulamenta as empresas de vendas diretas no país é a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), na qual adotou o código de conduta da World Federation Direct Selling Association (WFDSA) apoiando tanto a venda direta como o Marketing Multinível.

O Brasil ainda engatinha nessa questão, porém já existem dados e informações que o governo disponibiliza para consultas. No site da ABEVD é possível encontrar as empresas associadas aqui no país que tem o seguimento de vendas, tanto mononível, como Avon e Natura, quanto o multinível, como Mary Kay, Herbalife e MonaVie.

A legislação brasileira ainda tramita as leis especificas sobre a indústria de marketing multinível, porém com a crescente onda de empresas piramidal se dizendo empresa de marketing multinível levou o governo a se pronunciar e esclarecer aos cidadãos a diferença. Foi então elaborado um boletim informativo e publicado no site da Comissão dos Direitos Mobiliários (CVM) e nos principais meios de comunicação sobre vendas diretas.

O que Marketing Multinível representa na economia?

Diferente do Brasil, outros países já demonstram um grande crescimento econômico neste setor. Segundo a Direct Selling Association (DSA):

  • 27% do PIB americano são provenientes da indústria do Marketing Multinível;
  • 24% do PIB japonês é proveniente da indústria do Marketing Multinível;
  • 20% dos milionários americanos construíram sua fortuna com negócios baseados em Marketing Multinível;
  • O setor já representa 96,7% do faturamento do setor de Vendas Diretas.

Nos Estados Unidos, empresas como Coca-cola, Colgate Palmolive e Cit Bank, têm suas próprias divisões do Marketing Multinível ou utilizam da estrutura de empresas do setor para escoar alguma linha de produtos, com características relacionadas a esse sistema de vendas. Como podemos perceber, algumas empresas que atuam no Brasil com venda direta mononível perceberam a tendência de mercado e desenvolve suas atividades fora do país como marketing multinível.

No Brasil, esse modelo de negócio apenas começou a se formar. Em 2013 foi faturado UU$ 166 bilhões no mundo com vendas diretas onde, de acordo com a ABEVD, o Brasil é o 4º lugar com 38,8 bilhões. Para endossar as afirmações de que o Brasil crescerá nesse mercado, além do desenvolvimento incontestável das tradicionais empresas do setor, como Herbalife, Mary Kay e Amway Corporation, podemos apontar a entrada de algumas gigantes tradicionais como Unibanco, TAM Linhas Aéreas, Itaú, Banco do Brasil e Jequeti.

A comum confusão: Marketing Multinível X Pirâmide financeira

Há no mercado algumas empresas que se disfarçam de marketing multinível, porém são de esquema Ponzi ou mais conhecida como pirâmide financeira, tornando-se cada vez mais comum.

Um dos primeiros registros datam no ano de 1920 tendo como principal figura o ítalo-americano Charles Ponzi, o autor da maior fraude já registrada. O esquema Ponzi é baseado em pessoas e não em produtos e configurado como crime na maioria dos países. As principais características para recrutar novos distribuidores são:

  • Promessa de altíssimos rendimentos em curto prazo;
  • Obtenção de rendimentos financeiros que não estão bem documentados;
  • Geralmente dirigido a um público não financeiramente esclarecido;
  • Ausência de produtos, uso de produtos que são vendidos a um preço com alto valor referente ao preço real de mercado ou até mesmo produtos sem relevância alguma (ex. disquete, produtos sem permissão de venda ou ausência de regulamentação dos órgãos competentes – ANVISA, ANATEL, etc.). A venda dos produtos é considerada atividade secundária, já que o mais importante é recrutar novas pessoas;
  • Movimentação apenas de dinheiro;
  • Nenhum vínculo com leis e arrecadação de impostos federais. Em geral, os participantes acabam “pagando para trabalhar”.

Quem recomenda trabalhar com o marketing multinível?

Algumas personalidades e autores renomados e reconhecidos internacionalmente recomendam o marketing multinível. Cientificam que é possível começar com um baixo investimento, possibilitando ter uma renda extra ou até mesmo estimulam criar um negócio próprio, dependendo do objetivo do interessado. Indicam também pelo desenvolvimento pessoal e profissional onde muitas vezes é visto como uma escola de negócios onde é possível desenvolver inúmeras habilidades tais como: liderança, oratória, resiliência, capacidade de trabalhar e desenvolver equipes dinâmicas.

Os autores que mais indicam esse mercado são: Robert Kiyosaki, Donald Trump, Max Gehringer, Roberto Shiniashik, entre outros. Além disso, o marketing multinível ganhou espaço nas grades curriculares em muitas universidades.

O marketing multinível cresce a cada dia no país e traz a proposta de desenvolver o empreendedorismo, sem necessidade de um alto investimento inicial. Apesar do Brasil ainda estar no início da expansão desse mercado, é visível a tendência desse modelo de negócio no exterior, onde também é desenvolvido em busca de uma aposentadoria digna e independente, como mostra um artigo da Forbes, recentemente publicado.

Além da possibilidade de abrir o próprio negócio, o marketing multinível possibilita mudança de estilo de vida através de seus produtos – normalmente de alta qualidade – e um moderno modelo de negócio. É uma ótima oportunidade para quem busca complementar sua renda, construir riqueza e sair do tradicional modelo industrial de trabalho: das 8h às 18h. E sim, você não será pago como empresário se o encarar como um hobby.

Saiba mais…

Fonte: Portal Do Administrador.

MANUELDOLIVEIRAFILHO
12